Sulpetro - Home

Notícias

Deputados vão cobrar de sindicato explicação para aumento da gasolina
31-03-2014

O vice-líder do Governo na Assembleia Legislativa, deputado Magno Bacelar (PV), afirmou, em 19 de março, que pedirá à Mesa Diretora a convocação da direção do Sindicato dos Revendedores de Combustíveis do Maranhão (Sindcomb-MA) para dar explicações sobre o mais recente aumento do preço da gasolina em São Luís.

Desde a semana passada, praticamente todos os postos da capital começaram a cobrar R$ 2,99 por litro do produto. Para o parlamentar, além de aumento possivelmente abusivo, os empresários podem estar atuando em Cartel.

"Achamos muito estranho esse aumento repentino sem nenhuma notícia de que tenha acontecido algum reajuste por parte dos fornecedores. Mas precisamos também ouvir os empresários, saber quais as justificativas", declarou.

Em pronunciamento da tribuna da Casa, o deputado Othelino Neto (PCdoB) também denunciou o que considerou "provável formação de cartel nos postos de combustíveis de São Luís". Ele disse que a bancada de oposição estuda a possibilidade de instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar o caso.

 

Carterização - Othelino atentou principalmente para o fato de que a maioria dos postos de combustíveis, independente de estarem localizados em área nobre ou não, estão cobrando o mesmo valor pela gasolina, ou seja, praticando a cartelização da venda de combustíveis. Segundo ele, até nos centavos o preço está igual.

"Se nós andarmos em São Luís e pararmos para abastecer os nossos carros, seja no Calhau ou na Cidade Operária, vamos perceber que todos os postos estão com o mesmo preço. Algo está errado, porque cada distribuidora tem a sua margem para dar algum tipo de desconto. Cada um tem seu custo e uma quantidade de funcionários", observou Othelino Neto.

Segundo Othelino, quem anda na cidade de São Luís percebe que, em diversos postos, o preço da gasolina está em R$ 3,00 e que, em outros pontos de venda, até nos centavos está exatamente igual.

Para o parlamentar, parece existir uma combinação de preços entre os proprietários dos postos de gasolina. "Existe a possibilidade de estarem combinando os valores e isso é crime previsto no Código Penal", alertou Othelino Neto.

O deputado do PCdoB disse que o Ministério Público, por meio da promotora Lítia Cavalcante, já instaurou inquérito para apurar denúncias. "Eu vou procurar saber, junto ao MP, quais providências estão sendo tomadas", disse o deputado, adiantando que no mais breve possível dará ciência aos órgãos competentes.

"Digo de antemão que vou comunicar não só à Agência Nacional de Petróleo, como também aos órgãos que têm por atribuição controlar e proibir a formação de carteis", garantiu.

A primeira medida do parlamentar como presidente da comissão será na reunião de instalação, na próxima quarta-feira, 26, às 8h.

Mais

Recém-nomeado presidente da Comissão de Direitos Humanos da Casa, o deputado Bira do Pindaré (PSB) informou que já na reunião de instalação do órgão pretende contar com a presença do presidente do Sindicato dos Revendedores de Combustíveis, Orlanto Pereira dos Santos, para que ele explique a razão do aumento. "Eu tive o cuidado de verificar quanto está sendo o preço da gasolina em Teresina. Por incrível que pareça, lá é mais barato do que aqui. E o que explica isso se o combustível vai daqui para lá?", questionou. 

  

* Texto publicado no jornal  “O Estado do Maranhão” em 20 de março




Compartilhar