Sulpetro - Home

Notícias

Consumo de combustíveis cai 4,5% no país
17-02-2017

As vendas de combustíveis no Brasil caíram 4,5% em 2016 em comparação a 2015, para 135,4 bilhões de litros no ano passado. Em contrapartida, a comercialização da gasolina cresceu 4,6% no mesmo período. Foram vendidos 43 bilhões de litros de gasolina no ano passado antes os 41,137 bilhões de litros do ano anterior. Já o consumo de etanol hidratado apresentou queda de 18,3%. Os dados do setor de combustíveis de 2016 foram apresentados pela ANP durante o Seminário de Avaliação do Mercado de Combustíveis 2017.

A crise econômica do ano passado afetou de forma mais direta o mercado de óleo diesel, cujo consumo caiu para 54,2 bilhões de litros, em 2016, enquanto que, em 2015, somou 57,211 bilhões de litros, uma queda de 5,1%. As vendas de biodiesel recuaram 5,1%, saíram de 4 bilhões de litros em 2015, para 3,8 bilhões de litros em 2016.

Já as vendas de GNV totalizaram 4,9 milhões de m3 em 2016, o que representa um aumento de 3,2% em relação a 2015. A comercialização de GLP permaneceu estável, com crescimento de 1,1% em 2016 ante 2015.

No mercado de lubrificantes, houve uma queda de 13,5% do volume comercializado no comparativo 2015/2016. A ANP justificou que o consumo do produto é fortemente ligado ao uso em veículos do ciclo diesel. Além disso, a queda foi impactada tanto pela redução do uso em veículos pesados, como também teve impacto da queda nas vendas totais de veículos no ano passado.

A abertura do Seminário foi realizada pela nova Superintendente de Abastecimento, Maria Inês Souza. Recentemente, a ANP implementou um novo formato de gestão por meio do revezamento entre as Superintendências. Carlos Orlando Silva saiu da Superintendência de Fiscalização e hoje é o novo Superintendente de Biocombustíveis e Qualidade e Francisco Nelson Castro Neves, que tinha assumido no ano passado a Superintendência de Abastecimento, é o responsável pela Superintendência de Fiscalização.

Fiscalização

A ANP também divulgou os dados de fiscalização e, em 2016, foram realizadas 20.121 mil ações de fiscalização em território nacional. Desse montante, cerca de 28% resultaram em autos de infração.

Não cumprir notificação e não prestar informações ao consumidor foram as principais motivações dos autos de infração.

De todas as denúncias que a ANP recebe por meio do Centro de Relacões com o Consumidor (CRC), 88% diz respeito aos postos de combustíveis. No entanto, de acordo com a própria ANP, somente 3% dessas denúncias correspondem, de fato, à alguma infração.

Assessoria de imprensa da Fecombustíveis




Compartilhar